25 de fevereiro de 2014

Já foi melhor ser eu

Já não sei distinguir.

Todos os dias acordo sem vontade de me levantar. Seja fim-de-semana ou dia de semana, tendo sono ou não. Todos os dias são maravilhosos, adoro a vida que levo aqui em Barcelona. Mas não é a minha vida o problema. É uma de duas coisas, ou talvez até ambas... A depressão ou o namorado.

Deito-me todos os dias a chorar, apesar de poder ter sido o melhor dia de sempre. Acordar é um suplício, só queria ficar deitada para sempre, com o corpo todo coberto pelos lençóis, nem ponta de mim a ver-se. Passo os dias bem, nem me lembro que tenho um problema ou um namorado...como dizer(?)...esquecido. Quando me deito volta tudo. Mas tudo o quê afinal? É que afinal choro porquê? O desespero é não saber mas ter a certeza que só quero que passe. Mas não passa. Fica como uma moinha até finalmente adormecer de cansaço. Ao menos agora já não tenho insónias...

Viver a vida assim é exaustivo. Não sei se o consigo explicar bem por palavras mas é um cansaço psicológico tão grande que se apodera do corpo. É como estar doente sem estar. Viver a vida sem vivê-la... Não há coisa mais triste.

Pelo menos já não tenho a sensação de que tudo passa por mim. Vir para cá deu-me a disponibilidade de que precisava para sentir gozo em dançar de novo. Em querer ler, aprender, em querer ver mais e mais.

A verdade é que o tempo de desespero no meu dia são meros 15, 20minutos no máximo e não consecutivos se tivermos em conta que pelo meio dormi... Mas cansa. Não mata mas moi. Mais desesperante é a sensação de que já não sei distinguir as coisas da minha vida que me acontecem e me deixam triste das coisas que a depressão torna tristes.

Quero dormir até não poder dormir mais e não tem nada a ver com cansaço, estou de erasmus, não há muito para fazer... Só quero dormir, sem ir às aulas, sem conversar com ninguém, sem me ver naqueles espelhos o dia inteiro, apertada nas minhas prórpias roupas, em que já me senti tão bem...

Já foi melhor ser eu numa altura muito pior da minha vida...


Cisne

Sem comentários:

"Acho que isto não vai resultar"

Este é o pensamento que me ocorre todos os dias, acerca do mesmo assunto, por variadas razões. Ou é pela minha irmã, ou pelo meu pai, ou...