Nada se perde, tudo se transforma


Cheguei à minha terra Natal. Fui beber com um café com uma amiga e acho que a deixei melhor do que como a encontrei. Já não a via há algum tempo mas de alguma forma acho que isso foi essencial para a conversa que tive com ela. 

Ela, enquanto aluna de serviço social, teme estar a ficar demasiado fria (porque a isso obriga o trabalho dela) e completamente diferente do que sempre foi. Relembrei-a do que sempre foi mas fiz questão de lhe dizer que não tivesse medo. Que tomasse muita consciência da maneira como está a mudar e para quê mas que não tivesse demasiado medo dessa mudança. Afinal temos 20 anos. Sim, estamos a mudar, estamos a tornar-nos nas pessoas que vamos ser toda a nossa vida. E na vida a verdade é que não podemos ser pessoas super sentimentais e abertas porque isso nos deixa desprotegidos. Ela agradeceu-me porque de repente arrumei a confusão toda que ia dentro da cabeça dela e que de agora para a frente já saberia como lidar melhor emocionalmente com a sua profissão e o lado pessoal.

Cheguei a casa e olhei para o céu, um céu estrelado e magnífico - tinha-me esquecido de como o céu é diferente aqui, fiquei maravilhada como se o tivesse a ver pela primeira vez. Um frio de rachar na rua e eu especada a olhar este tecto mágico infinito.

Enquanto me perdia no infinito do céu, pensei em como não me perdi ao longo dos anos. Pensei no quanto mudei mas em como apesar de tudo mantive a minha essência e, principalmente, a vontade de viver. Fiquei orgulhosa de mim mesma. É muito mau dizer isto? Mas fiquei. E do que tenho conseguido ao longo dos anos, no quanto tenho trabalhado e sacrificado e nada foi em vão... Sim, estou orgulhosa de mim. Nunca pensei conseguir realizar metade do que pretendia. Nunca pensei riscar tantos itens da minha Wish List aqui no blog :)

Um bom fim-de-semana para todos,

Cisne

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da falta de coragem que descobri que tenho

O pós