Eu gosto: um texto diferente para variar

Um texto diferente para variar.



Sinto-me uma pessoa igual às outras mas diferente.

Gosto muito de certas coisas em mim. Gosto de ter uma mente aberta o suficiente para acreditar em energias e sinais, mas não tanto que aceite tudo sem questões ou limites. Pronto, gosto disso.

Gosto do que os meus olhos vêem. Não. Gosto de como os meus olhos vêem. Se calhar é só impressão minha mas acho que estou mais atenta a tudo, por isso me chamam distraída. Porque estou atenta a tudo o que as outras pessoas não estão, ao que «não é importante». Para mim é o mais importante: ver o que os outros não vêem.

Gosto da minha maneira de ser dentro de uma relação, gosto da maneira como a vejo, mesmo que seja complicada de perceber ou difícil de lidar. Já passei por determinadas coisas que me ajudaram a estabelecer princípios ou regras não sei, que me guiam, que me dão segurança. Sim, é isso. Gosto de como me sinto segura numa relação, de não ter medo de ser largada. De saber que sim, iria ficar triste e magoada se uma pessoa com quem estivesse me deixasse, mas que estaria preparada para isso e de, a seu tempo, seguir em frente (sim, eu sei que muitos vêem isto como um defeito, sofrer por antecipação, not seezing the day etc etc - para mim é estar preparada e isso é sinónimo de pura paz interior, por mais esquisito que seja).

Gosto da maneira como estou disponível para mudar de opinião sobre qualquer coisa, não por desvalorizar a minha opinião, mas por respeitar muito a possibilidade de estar errada e considerá-la até ter a certeza do que penso e saber o suficiente acerca daquilo em que acredito para poder defender essa ideia hipotética.

Gosto de gostar mais das coisas simples e mais simples. Não num sentido bonito da coisa. É mesmo isso. Exemplo: «branco com verde ou branco com vermelho?» «Porque não só Branco?». Pronto, simples.

Gosto de não gostar de ir às compras (embora me faça imensa falta) - a verdade é que gosto do que singnifica: falta de paciência para gastar tempo em coisas fúteis.

Gosto de ter mau feitio. É o que afasta as pessoas que não interessam na minha vida e é o que me dá uma personlidade forte, é o que me define (e se eu não gostar do que me define, como vou gostar de mim?)

Gosto de conseguir ter controlo sobre certas emoções. Isto é péssimo de dizer mas sei exactamente como ser cínica e/ou apática e sei exactamente quando usá-lo. Gosto da sensação de saber que por dentro quero matar uma pessoa mas por fora conseguir fazer com que ela se sinte indiferente para mim - dá-me muito gozo, confesso.

Gosto que me esteja sempre a desafiar. Gosto que o bom não me chegue. Gosto de desafiar os meus limites como o medo das alturas. Gosto do princípio e gosto da descarga de adrenalina, de tudo o que acontece com o corpo nesse momento.


Há muita coisa em mim que eu não gosto. E como com a maior parte das pessoas, são mais as coisas de que não gosto e gostaria de mudar do que as de que gosto. Mas acho importante que me relembre das boas. Porque o espelho me lembra todos os dias que estou 5kg mais gorda que há um ano atrás, mas eu nunca me lembro da imagem que não me é reflectida, da imagem que é só minha e que mais ninguém vê.

Gosto de não ter medo em dizer «Gosto de mim».


Cisne

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Demasiado

Brand New