29 de janeiro de 2015

E agora?

O meu pensamento foi onde a emoção não conseguiu chegar. Estou desequilibrada... E agora?

Tenho um namorado de quem gosto. Ou de quem decidi gostar?

Tenho a relação que quero. Ou a relação de que preciso? E o que lhe acontece se eu deixar de precisar? E qual vai ser a emoção de equilíbrio?

Cisne

20 de janeiro de 2015

O ponto positivo...


Eu não tenho lido livros, eu tenho comido livros!! Ora, isto de ter um trabalho em que me é permitido ler nos intervalos entre cenas (que às vezes são bem longos); de ter uns colegas com quem a última coisa que me apetece fazer é dançar, quanto mais conversar; e de ter uma mãe, tia e irmã que nasceram a comer devorar livros, facilitou e em muito o facto de andar a ler até ficar inconsciente.

Ora, lá para cima do blog há uma qualquer coisinha que diz quais são os livros que recomendo e "desrecomendo" mas já agora fica aqui também em post, não vá a malta andar distraída com a praticamente inexistente actualização dos separadores:

* O Código da Vinci (Dan Brown): e-s-p-e-c-t-a-c-u-l-a-r! Ora, eu por si só já adoro policiais; ora, provavelmente o policial mais conhecido do mundo, associado a ter aprendido imenso sobre história, mitos, etc., foi o melhor dos que já li. É que apesar de todo o romanciado, principalmente se houver pesquisa paralela, está muito claro o que é ficção e factual, e conhecer os factos e tudo acerca do Santo Graal... Bom, este livro fez mesmo as minhas delícias. Obrigada Ana Maria!!

* Amor e Guloseimas (Kate Jacobs): uma comediazita romantica levezinha. Basicamente: serviu o efeito! Eu andava mesmo a precisar de algo que não me distraísse demasiado a ponto de não entrar em palco (estilo o da Vinci!!) mas que me distraísse o suficiente do ambiente péssimo e das pessoas daquele teatro. Boa :)

* Anatomya de la Danza: em espanhol, um grande esforço, agora que não tenho praticado. Tenho lido pouco, é mais um manual que um livro, é para aprender sem histórias, 
só desenhos, mas pronto, vai-se lendo e aprendendo aos poucos. Mas está muito bem escrito!! Seja como for a impressão que tenho é que uma grande parte do que li e vou ler já aprendi na faculdade - o que por um lado é bom!! Mas sendo assim preciso de encontrar outros livros teóricos sobre dança mais avançados...

* Um Guia para ficar a saber ainda Menos sobre as Mulheres (Isabel Stilwell): Antes o ler, nunca pensei que fosse literalmente um guia. Dá aos homens os mais variados conselhos sobre como lidar com uma mulher (atenção que disse lidar, não compreender ;) ) e clarifica um pouco às mulheres o que raio andamos a fazer e planear consciente e inconscientemente nesta vida modesta que é a nossa. Basicamente, numa escrita simples e desenvolta, mete tudo em pratos limpos. Ri bastante com a quantidade de verdades que ninguém se atreve a admitir ou sequer proferir. Recomendadíssimo para ambos os sexos e facílimo/curtíssimo de ler! (li-o numa noite, mais precisamente algures entre 3h não consecutivas)

Seguem-se: O Tigre Branco, a Triologia de Nova Iorque e...gaita não me lembro do nome. Depois escrevo :p *

* Adenda: A Sangue frio, é o livro que está em falta. 

19 de janeiro de 2015

Ele há dias...hoje deu para o amor!


Ele há dias em que penso que isto era o que eu queria ter dito, que era o que eu devia dizer agora e deveria dizer para sempre! Ele há dias... :)

Cisne

18 de janeiro de 2015

Está a meio caminho, gosto de pensar


Yup. I'm a mess. Mas não faz mal. Admitido que há um problema que não se vai resolver sozinho, esperando que o tempo passe e fingindo que não é nada comigo, é meio caminho para a solução. Portanto, vamos procurar ajuda e vamos agarra o touro pelos cornos. Não pode é ficar pior, porque pode ser grave. E também não posso esperar milagres. Estas coisas demoram tempo.

Bottom line: Vamos respirar fundo, ter muita calma nesta hora and hope for the best!

17 de janeiro de 2015

Tive uma epifania!


Fico sempre muito desgostosa quando vejo os meus amigos a começar a casar e a ter filhos, porque me sinto velha e que tudo está a passar tão depressa... Ora, que direi eu no futuro quando for velha e começar a ver os meus amigos a morrer??

Pronto, ver os meus amigos a casar passou a ser uma coisa maravilhosa: Sou tão jovem!!! Ainda na altura de casar e primeiros filhos! É todo um «uau-fascinante» de uma nova perspectiva! x)
Cisne

14 de janeiro de 2015

_Vamos_


Vamos experimentar mudar de rumo, vamos experimentar outra perspectiva. Vamos esquecer o que aprendemos ou então vamos relembrar aquilo que esquecemos; vamos sem voltar, vamos sem medos ou a medo, nunca se sabe o que se vai encontrar. Vamos com medo, mas vamos na mesma. Temos a sensação de que só pode correr bem e que só pode ser o caminho certo mas dá tanto medo... Mas vamos. Vamos com medo mas com coragem. Vamos um dia de cada vez, vamos todos juntos e com nós mesmos. Vamos porque queremos e porque tem de ser, porque só para a frente pode ser, o tempo não volta para trás. Vamos tentar? Vamos conseguir.


Cisne

13 de janeiro de 2015

Karma


Acredito em Karma. Num balanço Universal. Que existe e se faz constantemente, mesmo que não consigamos ver os resultados. É como uma chapada que vem a seguir à outra como resposta: demora o seu tempo a vir, mas tu sabes que vem porque bateste primeiro. O Universo é muito maior, portanto o tempo de espera terá de se adaptar à escala, eu acho.

Hoje tomei a decisão de confiar nisto.

Escrevi há um mês atrás um e-mail carregado de ódio disfarçado de preocupação e boa educação. Quando me apercebi da sua verdadeira cara, parei de o escrever, Não queria enviar nada com ódio, nada com raiva, nada de tão negativo, fosse para quem fosse. Não por medo das consequências, mas por mim. Não quero viver com essa carga negativa. Não acredito que passa-la para alguém me fará sentir melhor. Acredito que cada um tem de lidar com a sua, com ou sem ajuda, mas não tem nada que a passar para os outros.

Depois da raiva, do ódio e de um sentimento de injustiça total, achei que ainda assim o conteúdo era importante e as pessoas deviam saber do que tinha acontecido comigo para prevenir que acontecesse também com elas. A preocupação e consciência tomaram lugar...felizmente.

Hoje tomou o karma lugar. Decidi eliminar o e-mail, já o fiz. Temo que o que me fizeram a mim só o fizeram porque deixei ou porque em qualquer parte da minha vida a desequilibrei e esse desequilíbrio me encontrou só agora, tão tarde que já nem me recordo dele. Ou então que este foi o desequilíbrio que será equilibrado um dia. Seja como for, acredito, não me compete a mim.

Iria ser mal interpretada, provavelmente. Ou até os meus alertas iriam ser vãos pois as pessoas não são eu, e não sendo eu não cairiam no mesmo erro que eu caí.

Bom, deixo-vos o direito de discordarem; talvez eu discorde daqui a uns tempos. Mas por agora tenho uma qualquer fé inexplicável e cada vez mais presente em karma, em equilíbrio, em constância.

12 de janeiro de 2015

Passei-me


Mais nada estava a resultar então, no intervalo entre sessões do espectáculo, passeei-me e, tranquilamente, a meio do corredor que dá acesso aos camarins, disse em bom som, embora sem gritar:

EU DEVO TER ESCRITO NA TESTA "IGNOREM-ME, EU ADORO!"

Pronto, até pode não surtir qualquer efeito (inclusivamente na altura ninguém me veio perguntar o que se tinha passado ou se havia algum problema), mas a mim soube-me que nem ginjas soltar o que já me estava preso na garganta há tanto tempo. Pronto.


Cisne.

10 de janeiro de 2015

O meu local de trabalho...

...ser bailarina para além de todo o árduo trabalho também as suas bonitas subtilezas...

Camarim privado
Basicamente, maquilhagem (MUITA), papéis com cábulas, comida para petiscar entre cenas, calote, ganchos, livros...





Estar descansadinha na plateia a ler no intervalo entre sessões... Tem estilo :b

5 de janeiro de 2015

La vie en Rose


Já publiquei e republiquei e republiquei mas não consigo resistir... Esta música mexe cá dentro tem uma alma que existe por si só, que não pertence a ninguém ou pertence a todos nós. É tão doce... Às vezes gostava de ser assim doce...


Cisne

Lei de Murphy



* Já no metro antes de chegar ao trabalho apercebo-me que não tenho o telefone. Ligo de outro telefone para avisar a minha mãe que acaba de arrumar o meu quarto e me diz que não está lá. Entro em pânico. Deixei-o no carro, perto de uma estação de comboios, onde passa imensa gente.

* Saio do trabalho. Dirijo-me ao carro. Lugar vazio. Rebocado - lugar de deficientes: acordar a minha mãe para me vir buscar e, logo:
* Ficar ao frio à espera que tal acontecesse

* Ligo para o 118, pois não sei o número da polícia: Não soube o número da polícia porque não tinha nada para apontar
* Ligo de novo. Ligo para a polícia: não sei a matrícula do meu carro
* Acordo de novo à minha mãe, que por sua vez acorda a minha tia, a única pessoa que genialmente sabe a minha matrícula (ainda diz ela que o talento para decorar matrículas não serve para nada)
* Parque de rebocados do campo pequeno. A que horas fecha? 1:00. Que horas são? 00:47, estou em Sta apolónia.
(por milagre a lei de murphy aqui deu folga, porque cheguei lá a tempo, mas logo a seguir strikes again...)
* 162€ de multa. 19€ para o parque, 83€ para o reboque e o restante da coima prorpiamente dita. Bravo.
* Chego ao carro, finalmente. O telefone? Não está. Os vidros laterais? Todos embaciados, não via nada.
(a lei de murphy volta a dar um intervalo à coisa pois felizmente não tive nenhum acidente...não sei como. Mas esperem! It strikes one more time!!...)
* Chego a casa, ligo para mim mesma, toca no meu quarto onde está a minha prima a dormir. Para de tocar antes que eu consiga perceber de onde e quando volto para ligar, "o número que contactou está de momento indisponível(...)". Claro que sim. Claaaro que eu fiquei sem bateria. Ora quarto todo escuro, barulho não posso fazer, portanto telemóvel não tenho até amanhã.

Ah esperem, esqueci-me de mencionar que quando vou para estacionar na rua, não há lugares. Não é perto. É: nem havia LONGE. não havia de todo; coisa que nunca me tinha acontecido chegasse às horas que chegasse. Resultado: estacionei uma vez mais num lugar indevido. Pronto, agora é levantar-me amanhã por volta das 9h (se conseguir, porque o meu único despertador é o meu telemóvel...que eu não tenho!!!) para tentar realocar o carro. Isto é, se ele ainda estiver lá e não tiver sido rebocado de novo.

E eu que dizia que o azar que me perseguia tinha acabado em 2014. Fónix............

Cisne

Abandono

Este blog foi ao abandono...E não admira. Está tal e qual como eu: abandonado. Desde que uma colega minha entrou de baixa e o meu t...