25 de junho de 2014

Estou pronta



Estou pronta. Finalmente estou pronta.

Hoje despedi-me da última amaiga que fizemos cá em Barcelona. Custou um bocadinho. Tudo isto me tem custado muito ultimamente. É o dizer adeus a uma fase muito imposrtante da minha vida. Não quero falar muito sobre isso agora porque é tardíssimo e me quero ir deitar e também porque quero fazer un texto depois de já estar em Portugal, mais ou menos como um balanço.

O ponto importante agora é que depois de tudo isto já me sinto pronta para deixar Barcelona, para arquivar o que se passou com muito carinho e atirar-me aos novos desafios que vêm aí :)

Sinto-me diferente. Sinto que aprendi muito aqui e principalmente muito sobre mim mesma. Que precioso. Que precioso isto de aprendermos sobre nós mesmos... Enfim. Vou aproveitar ao máximo os últimos dias aqui mas sem medo de me ir embora, agora. Sem medos! Vamos a isto :)


Cisne

22 de junho de 2014

Prometi ter 20 anos

 

Aqueles momentos que não duram nada e significam o mundo, aquele momento em que prendes a respiração e ficas parado sem conseguir mexer-te. Aquele momento em que as lágrimas caiem e não encontras solução para parar ou o que fazer a seguir.

Aqueles momentos que quanto mais queres eternizar mais te escapam entre os dedos.

Aquele momento em que vês o nascer do sol ao lado de pessoas que partilharam 5 meses únicos da tua vida. O momento seguinte em que vês um recomeço. O momento seguinte em que te dá medo do que vem a seguir. O momento seguinte em que te dá saudades do que ainda nem deixaste. E no momento seguinte já estás a deixar umas dessas pessoas na estação. No próximo momento és tu.

E o corpo e a cabeça não encontram solução para resolver uma coisa que parece simples: ir embora. Então deixa-se levar... Não é preciso ter sempre rumo.

Porque houve dias em que de repente estava a andar de mota. Porque houve dias em que de repente fui para o mar à noite. Porque de repente fui ver o nascer do sol para a praia. Porque de repente fomos sair. Porque de repente tinha 4 criações. Porque de repente estava na casa de desconhecidos. Porque de repente estava a comer comida vegetariana. Porque de repente acabei com o meu namorado. Porque de repente não consegui sair de casa. Porque de repente alguém me pediu um beijo. Porque de repente eu não sabia o que fazer. 

Vendo bem, os melhores momentos foram os que não tiveram rumo, os que fugiram do meu controlo. Então porque é que estou com tanto medo do que vem a seguir?

Fiz-lhe uma promessa. A de me manter jovem - talvez muito ao estilo do meu pai. Foi uma promessa, a de me lembrar da minha idade, a de pensar à frente mas viver no momento. Não tenciono quebrá-la.

Obrigada L. Obrigada Barcelona.


Cisne.

20 de junho de 2014

Hopes and dreams

Talvez porque no outro dia a minha mãe me perguntou pelo P. e me vi obrigada a falar dele pela primeira vez desde alguns dias, uma noite que passou sonhei com ele.

Acordei a transpirar, aliviada por finalmente ter acabado. Foi tão curto, tenho tão poucas imagens e mesmo assim angustiante.

"Quero fazer-te uma pergunta mas estou tão bem aqui que até tenho medo de a fazer". No meu sonho o suspanse do tempo que demorou até ele realmente fazer a pergunta demorou horas; afinal só queria saber onde estavam os trocos do bolsos dele.

Mais tarde, a caminho da faculdade, revi todo o sonho e sorri - tinha novas imagens dele. Podiam até não ser reais mas ao menos não eram memórias de algo que já não tenho. Lembro-me, por exemplo, precisamente da cara dele quando lhe abri a porta. Quero guardar essa imagem por agora. Faz-me sentir bem. A vida real pode esperar dois ou três dias...


Cisne

19 de junho de 2014

Aceitação

Nunca percebi muito bem como é que funcionava isso de ter pais de diferentes nacionalidades. Conhecia algumas pessoas mas sempre me fez muita confusão. Como assim? Com culturas tão diferentes como raio resultou isso?

Hoje, em Erasmus, consigo entender. Tirando o turco (sim, porque esse é mesmo uma ave rara até para os turcos!!), cá em casa damo-nos todos bem. O curioso é que eu nunca senti diferença de culturas. Sinto-nos todos iguais, não sei. Temos todos cerca de 20 anos, estamos todos a estudar, todos temos as mesmas dúvidas e expectativas em relação ao futuro, todos temos a vida toda ainda por descortinar (que isto de estudar é só o aquecimento)...

Bom, não sei, percebo agora que por termos culturas diferentes houve sempre um cuidado por respeitar tudo do outro. Sim, somos diferentes, e essa diferença é tão clara (nem que seja na linguagem) que já é normal. Essa diferença é aceite e compreendida de uma maneira que deixa de ser uma diferença, passa a ser um gesto bonito. «Eu aceito-te tal como és».

Tenho pena de me aperceber que, sendo da mesma nacionalidade que o P., nunca houve esta aceitação.


Cisne.

18 de junho de 2014

Tu me manques


Yesterday I heard
"Je te veux"

If only you were the person I wanted to hear it from.


Cisne

17 de junho de 2014

Algo de confortante

Há algo de confortante em abrir a janela de conversação com ele sempre que estou no facebook. Como que a lembrar-me que eu posso falar com ele quando quiser. Mas não quero. Na falta que lhe sinto há isso de confortante, a possibilidade de acabar com a saudade e não querer - porque há algo mais forte. Podia tê-lo perto, mas mantenho-o há distância. Há algo de confortante em ter tomado uma decisão em vez de continuar à espera.

Mas sim, sinto a falta dele. A última coisa escrita nessa janela é "Cisne?". E há dias em que resisto a escrever "P.?", para dizer quero falar contigo de novo. Estás aí?

Sempre foi essa a pergunta... A diferença é que agora a resposta já não importa.

Cisne

De Barcelona...


Conto-vos um pouco do que tem sido a minha vida:

Faltam duas semanas para regressar a Portugal - não estou nada ansiosa. O tempo está a passar a voar.

Estou neste momento a ter uma aula de 4h por dia: é uma tareia que nem vos digo. É repertório mas ao que parece em Espanha repertório não significa ver uns vídeos no computador e toca a imitar. Aqui o prof dá todo o processo de trabalho pelo qual os intérpretes originais passaram e só depois sim, passamos ao repertório de movimento. Metam tarei nisso, nunca fiz nada assim. Tenho os pés todos queimados, nóduas negras até dizer basta, enfim... mas um coração feliz :)) Tem sido um grande e bom desafio :)

Também tenho mandado candidaturas e curríulos para tudo quanto é lado. Ele é residências artísticas, ele é emprego enquanto professora, ele é para campos de férias... Enfim, respostas é que são poucas mas pronto, tem de se ir tentando.

Entretanto a determinada altura vou ficar sem casa em Lisboa, iei, que felicidade... Não sei bem ainda como vai ser mas sim, há que haver alguma preoupação em começar a procurar uma nova se a intenção é trabalhar em Lisboa.

Depois muito calor, aparentemente não tanto como em Lisboa, aqui está mesmo no ponto. Portanto, muita praia, muitas saídas, muita festa. eu sinto-me praticamente de férias. Sim que a aula custa mas acabando às duas da tarde, a seguir a isso fazemos o que queremos e já nem trabalhos temos para entregar. Uma alegria :) Não admira que eu não queira sair daqui, né...

E pronto, já comecei a fazer a ronda dos souvenirs e de coisas para mim que preciso ou quero - em termos de roupa, por exemplo, em Lisboa nunca encontro nada de que goste. As feiras de coisas usadas têm sido as minhas melhores amigas - maravilha :p

Este próximo fim-de-semana deve ser a loucura porque temos um dos nossos colegas de casa, o L., a ir embora então já se sabe que há que fazer uma despedida à altura. Vai ser festa o fim-de-semana inteiro. Depois segunda-feira é ponte porque terça-feira é feriado cá. Parece que o S. João é uma grande cena aqui tipo passagem de ano novo: há fogo de artifício, flores, festas na praia e não sei quê. É basicamente para comemorar o início do Verão (21 de Junho) - venha ele :)

E é isto. Jinhos à prima

Chupitos


O meu melhor amigo veio visitar-me :)


Cisne

Não sabes sonhar (rascunho de Maio)

Percebi finalmente o que me atrai nele.

Não é aquela maneira horrível de se vestir, com as calças de ganga a meio do rabo e rotas e t-shirts que variam entre o preto e o azul escuro (vá, quando veste uma camisa lá fica apresentável mas isso é só nos dias de festa). Não é o corpo porque é um magricela e demasiado alto para mim. Não é a cara, tem um sorriso engraçado mas tem cara de cigano e já se começa a notar perfeitamente que fuma. Fuma. A personalidade é fixe mas também não é bem por aí porque ainda tem mentalidade de puto a.k.a. «gajas bebida futebol uuuhuuuu!».

Então ontem percebi. É a idade. Apaixona-me a idade dele. Que é a mesma que a minha. Mas não é na verdade. Porque a verdade é que sempre me senti mais velha e deslocada... Então apaixona-me a maneira como ele vê a vida agora. Que tudo é uma festa e toca de fazer loucuras (para ele o que importa é saber das consequências, desde que saiba o que depois vai enfrentar, então bora) e tudo está bem, relax e tal... Pá... Eu nunca fui assim... Também nunca me fascinou muito a ideia de ser "rebelde" e relax, e perder o controlo patati patata... Mas depois de um banho de mar sem sol, atrasada para um jantar, depois de dançar durante 5 horas e acabar a dormir na praia, depois de entrar na casa de perfeitos desconhecidos e ver coisas que nunca pensei, cheirar coisas que nunca cheirei, depois de andar pela primeira vez de mota, ver as coisas de uma maneira diferente.....tomei-lhe o gosto. E vejo o oposto e o aborrecimento que a minha vida é e sempre foi. Vejo que nunca vou ter nada para me recordar ou para contar «aí, não acredito que fiz aquilo...». E às vezes, em segredo, desejava que o P. fosse mais assim. Mais espontâneo, mais louco da cabeça, mais...novo. Porque sempre que eu faço uma proposta estranha ele diz-me que eu sou livre de fazer o que quiser mas para não contar com ele, ou então pensa demasiado nas conquências! Não sei... Eu já nem tenho ideias nenhumas porque para esse tipo de coisas já sei que não posso contar com ele...

***

Nunca cheguei a publicar este post por ter vergonha dele. Por ter vergonha de pedir mais de uma vida que já me dá tanto. E mantém-se, a vergonha mantém-se. A diferença é que hoje fiquei com medo de não me lembrar um dia o bem que Barcelona me fez, o bem que o L. me fez. Um dia gostava de o voltar a ver...só numa de perceber como estas alminhas de 20 anos se safaram na vida, só para perceber se valeram a pena todas as loucuras... Seja como for, gostei de o conhecer. Hoje isto fica escrito para o L. em vez de para o P. , porque o P. sempre foi um mistério para mim, uma história inacabada, qualquer coisa que eu ainda não percebi - ainda não estou pronta para falar sobre isso. Mas o L... O L. teve um papel muito concreto e importante na minha vida, ele far-me-ia falta mesmo que não o tivesse conhecido. Au revoir.

13 de junho de 2014

To do List

Vou fazer copy paste do que ainda tenho para fazer esta noite (fora o que já fiz) e acrescento a informação de que são 01:20 da manhã...

*fazer texto lucius
* contactar intérpretes
*preencher candidatura lucius
*responder mail a ana
*actualizar curriculo
*contactar Nuno sá
*ver eventos erasmus fb (antes que a M. me mate por nunca fazer isto)
*mandar foto ao L. (antes que ele comece a bufar)
*mandar mail a marcar reunião com orientador erasmus

*E mais acrescento: ir abater ao turco que já me esta aqui a afectar uma veia nervosa -.-'


Beijinhos à prima,
Cisne

12 de junho de 2014

Fui à feira da ladra em Barcelona!

... Espectáculo!! Isso é que é ver-me contentinha e de olhinhos a brilhar quando me dizem tudo a 1€ ou 3 por 5€ e afins... Ora pois então de lá trouxe:

O meu armário precisa urgentemente de cor!! Então prouxe a verde comigo. Todos os "meus colares" são da minha irmã! Então trouxe este comigo (giro nas horas, só 3€, adoro!). Depois trouxe um figurino por 1€. Acabei por não o usar porque gostei mais de outras opções mas por 1€ who cares? Para além disso agora que estou mais morena se calhar nem me fica mal :p

Para além disto fui noutro dia passear ao bairro gótico e presenteei-me com um par de brincos, um colar e uma pulseira (e com cor!). Precisava de todos e não foi assim tão caro, não me sinto nada culpada...

Agora o próximo objectivo são umas sandálias pretas ou nude, basicamente cunhas confortáveis que dêem para dançar e com tudo.


Jinhos à prima,
Cisne

11 de junho de 2014

"Tu me plaît"

- He asked me if we were together.
- Hahahaha that's ridiculous! What did you answer him?
- That I'm fun of your smile.

Eu podia escrever um belo filme...


Cisne.

10 de junho de 2014

Só Deus sabe?

Lembro-me de te pedir um dia, num desses primeiros dias em que o tempo passava rápido e tudo estava bem, que me levasses à praia. Odiei dize-lo mal me saiu. "Leva-me à praia". Senti que te estava a dar muito poder, quando não deveria demonstrar a ninguém que preciso de quem me leve, que preciso de me sentir aconchegada, guiada.

Hoje queria dizer-to de novo. Sem medos e com ênfase. Para que entendesses que preciso disso, não é a fingir. E porque nunca abusaste do poder que te dei. Nunca me magoaste de propósito, nunca me fizeste sentir menos do que eu sou e tão pouco me fizeste sentir que tinha de tomar conta de ti.

Ontem recordei todas as coisas más a teu respeito. Explodi tudo, falei tudo, a pobre da M. ouviu que se fartou de todos os teus defeitos e das coisas que nem sequer eram defeitos mas que eu não gostava. Hoje não me lembro de nenhuma.

Hoje lembro-me do teu cheiro e do teu toque. Do teu olhar terno, de um sorriso que me agarrava e do teu silêncio valioso. A tua calma, a tua voz doce e o som quente da tua guitarra. Lembro-me do que não me lembrei ontem: de como era bom quando estávamos juntos.

Hoje lembro-me que já não estamos. E que já não mantenho a esperança de um dia estarmos. Dei cabo dela ontem. Espero que desistas de mim e não me procures - vou fazer o mesmo. Mas se me procurares não vou poder mentir-te e também não vou saber como dizer-te a verdade. E aí... só Deus sabe?


Cisne

Fiz...

...merd@. Mas pronto, ainda bem que a fiz. Assim a prendo a lição para não voltar a ser anta. Pronto. Posso ter mudado todo o rumo da minha vida...pronto, mas e então? Olha, aborrecido é que não é. E se não tivesse feito, ia ficar toda uma vida a pensar «e se». Não tenho idade para já começar nos «e se», pelo amor da Santa!!

Cisne

7 de junho de 2014

Triste


De uma maneira que não sei explicar. Triste por estar quase a ir, triste por tudo o que tem acontecido de mau... Triste por não ter tomado as melhores decisões. Triste por ter saudades dele. Triste por acreditar que ele pode mudar, quando nem o deveria querer. Triste quando penso com quem ele poderá estar. Triste por não saber que decisões tomar, a nível profissional e pessoal.

Sinto-me um bocadinho perdida hoje... Mas amanhã tudo estará melhor, de certeza. Até lá... triste.


Cisne.

6 de junho de 2014

Karma

Fico sem namorado. Só a minha irmã, a minha mãe, a minha tia e a minha colega de casa sabem e de repente todo o universo masculino se lembra que eu existo. Hum... hello, quem contou??? Creepy...


Cisne

2 de junho de 2014

Vamos lá animar a malta

O dia começou em alvoroço. Acordei a pensar que estava a horas e recebo uma mensagem mágica a dizer que tenho uns míseros 10minutos para sair de casa. E aí foi Cisne por aí a voar. Mas no final, um dia bom.

Foi desde uma surpresa fofinha da minha mãe...


...a comprinhas fúteis no bairro gótico. Uma coisa que nunca faço mas com tanta loja gira é quase impossível não fazer. E não sei como vim sem umas sandálias liiindas de morrer para casa! Bem, sei... Não tinha 40€ na carteira...


O fio parece um amarelo vivo mas é um amarelo super diferente, a foto alterou a cor. Depois temos um par de brincos, uma pulseira, uma mini escova, um eye liner à prova de água (o meu estava às portas da morte), um lápis de olhos supostamente de desporto, ou seja, à prova de suor (depois logo vos digo o fracasso que já sei que vai ser...), um caderno para as minhas futuras criações (é assim como que algo para me inspirar quando voltar para Portugal) e uns fones.

Pronto hoje foi um bocadinho para a estragaceira... Mas levei na cabeça da minha colega de casa que já chegava de ficar em casa a deprimir e lá fui eu arrastada para as ruas lindas de Barcelona e o seu tempo excelente.

Cheguei a casa bem disposta e fui logo temperar o jantar - recebi finalmente um "parabéns ao chef, isto está óptimo". A M. nem conseguia parar de comer :))

Depois, recebi uma chamada de um amigo a dizer que é possível que tenha um trabalho de Verão para mim - que não só é bem pago como é uma das coisas que está na minha wish list :))

E por hoje é tudo uma vez que tenho trabalhinhos e ensaiozinhos para fazer/planear. Ah e também tenho de guardar 10 min para pensar no que não devo e deprimir. Mas o plano é que seja antes de dormir para não perder mesmo muito tempo.


Beijinhos à prima,
Cisne.

1 de junho de 2014

Vamos à dor de corno


O princípio é: o blog é meu, faço dele o que me apetecer e parece que está para ficar a dor de corno. Vamos lá então.

Esta música faz-me lembrar dele. Bem, não dele. Das noites no carro dele, em que a smooth fm estava sempre ligada no rádio. Para onde quer que fôssemos: uma discoteca, um bar, um concerto, para a praia, para casa, para lado nenhum porque estávamos só a conversar... Esta música em particular passava sempre à noite e geralmente surgia num silêncio. Não num mau de discussão mas num bom, naqueles em que ele conduz tranquilamente para o nosso destino a pensar em qualquer coisa pouco importante e eu tento recordar cada pedacinho de paisagem para que olho, para as luzes, para o momento. Esses momentos de silêncio que tínhamos era super preciosos para mim. Era como se dissessemos que a companhia um do outro era mais que suficiente. Eu, em especial, não queria estar em mais nenhum lugar para além daquele. Aquela calma que vinha um pouco de súbito fazia-me invariavelmente respirar fundo. Respirar fundo e pensar "sou tão feliz".

Tenho medo de não ter saudades dele mas da tranquilidade que estar com ele me dava. De não ter saudades dele mas de alguém. Tenho medo desta incerteza. A M. diz que eu vou perceber com o tempo, a minha mãe e o C. também.

Mas o meu medo é que Ele se esqueça de mim. Tenho medo que ele se esqueça dos momentos que eu estou sempre a lembrar e que, inclusive, não lhes dê tanto valor.

E por outro lado... Porque não haveria de esquecer? Fui eu que acabei, quem mandou? -.-'


Cisne

Abandono

Este blog foi ao abandono...E não admira. Está tal e qual como eu: abandonado. Desde que uma colega minha entrou de baixa e o meu t...