31 de outubro de 2013

As palavras que talvez te direi#1

Ando a precisar de dizer muita coisa. Hoje ia a caminho do trabalho no meu belo bolinhas, quando começo a falar sozinha. Mas se acham que foram ali 10 seg de uma frasezita curta ou uma interjeição de dor prolongada desenganem-se. Eu estive para aí 5 minutos a falar sozinha. Quando me apercebi da estupidez de estar no trânsito a falar comigo mesma, parti-me a rir e restringi-me só mesmo ao pensamento dessa vez.

O mais estúpido foi o quão bem aquilo me soube. Apercebi-me de que tenho muita coisa presa na garganta, muita coisa que deixei por dizer. A maior parte são coisas que achei que não fariam sentido para as outras pessoas ou queixas de qualquer coisa que supus não ter o direito de me queixar...Enfim. Daqui comecei a pensar que o blogue me ajudava nisso, a dizer tudo o que não digo. E comecei a pensar que coisas é que eu gostaria de começar a explorar, a redigir por aqui.

Decidi então criar uma espécie de rubrica completamente sensaborona em que falo das pessoas. Pessoas próximas, conhecidas, de quem gosto, que odeio, que encontrei por acaso... Enfim. Falar sobre alguém em especifico, dizer qualquer coisa que me apetece sobre ela ou dirigir o texto a ela para lhe dizer tudo o que não disse, tudo o que ficou por dizer.

Então pronto, vamos cá disto!


Cisne

30 de outubro de 2013

I already carry you in my heart

"(...)Here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
And the sky of the sky of a tree called life;which grows
Higher than soul can hope or mind can hide)
And this is the wonder that's keeping the stars apart
I carry your heart(I carry it in my heart)"
- E.E. Cummings
 
Não quero ser precipitada mas......pera, deixa-me arriscar a dizer isto........ acho..........acho!.....que já atinei com este namoro e esta relação.
 
Esta cena da distância e de só nos vermos um dia ou dois cada semana estava-me aqui a dar cabo do tico e do teco mas acho que finalmente me adaptei. A semana já passa mais rápido, a ausência de mensagens no telemóvel já é normal e quando há uma mensagem a mais do que o costume já me aborrece porque acho sempre que não tenho nada para dizer.

Mas bem, so tenho esta sensação nos últimos 3 dias portanto, deixa-me cá ficar sossegadinha a ver se para a semana que vem já me deu a travadinha outra vez ou se me mantenho calma e ponderada.
 
Dúvido!! xD

Cisne

E tudo vai correr bem... certo?

 
Everything that kills me makes me feel alive.
 
E por aceitar isto, vou pegar na força que sempre tive e admitir que preciso de ir a um psicólogo. Preciso de ajuda. O que tenho não é grave mas pode ser. Passo dias e dias impecáveis, perfeitamente normais em que a minha vida está tal e qual como é: perfeita. Mas outros em que o medo de sair de casa me vence e falto às aulas e salto os meus compromissos. Ou que não páro de chorar e sinto uma falta de ar que parece que nunca mais vai acabar mas que desaparece assim que eu admitir que tenho demasiados assuntos por resolver na minha cabeça muito antes dos assuntos no meu pc ou no meu caderno de aulas.
 
Não sei como vai ser nem sei se me vai ajudar mas espero que sim. Porque agora finalmente tenho a certeza que preciso de ajuda. Foram demasiados ataques de pânico e ansiedade, já não é normal ou só cansaço. São sintomas, sintomas do que ainda não é nada mas pode vir a ser se não for já resolvido.
Portanto vamos. Coragem e mente aberta. Que tudo corra bem para que eu possa aproveitar a minha vida, vida por que tanto lutei por tantos anos, que me custou a alcançar e por isso mesmo penso que é bem merecida.
 
Desejem-me sorte,
 
Cisne

27 de outubro de 2013

Cristo rei. Check

Diz que fui ao Cristo Rei para riscar mais um sonho da minha wish list. Valeu a pena só mesmo por isso, pois não metia medo nenhum de alturas, está coberto de grades... Ficam as fotos.






Cisne

O lugar


"(...)
Já é dia e a sombra
Está em tudo o que se ve
Lá fora ninguém sabe
O que a luz pode fazer
Porque a noite foi tão fria
Que não soube acordar
A noite foi tão dura
E difícil de sarar

Mas onde tudo morre tudo pode renascer
(...)"

Cisne.

23 de outubro de 2013

roupa

Tenho de renovar o meu guarda roupa. A minha irmã disse que me ia ajudar. Era mais ou menos por aqui que eu queria pegar...


22 de outubro de 2013

Aula aberta de Repertório

Quem estiver pelo chiado na próxima sexta-feira às 14h, pode sempre passar pela Escola Superior de Dança para ver a aula aberta de repertório da turma 51 e 52. Terei muito gosto em conhecer-vos :P

Cisne

20 de outubro de 2013

...

Um grande amor será sempre um grande amor, não me venham com histórias, pois já se passaram dois anos desde que acabámos e o meu coração ainda dispara de cada vez que ele fala comigo, ou vejo, ou nos cruzamos! Que estupidez... Ainda por cima uma pessoa que tanto mal me fez... Mas pronto, o coração é estupido e não esquece os bons momentos e sentimentos do passado, o que se há-de fazer? Mas lá que é curioso, é...

Passei só mesmo para dizer isto... lol


Cisne

19 de outubro de 2013

Tem sido difícil



 Quase te disse que queria acabar. Tenho sofrido. Não pelo suposto. Não com saudades, não com a tua ausência. Com falta de confiança, mal de que nunca até hoje padeci. Nao tenho ciúmes, acho que isso é que não está mesmo na minha natureza. Mas falta-me a confiança porque não te conheço. Porque te "deixo ir" não sei bem para onde, com não sei bem quem, fazer não sei bem o quê. E assim confiar que não só não te esqueces de mim enquanto estás lá mas principalmente que voltarás.


Não é fácil e eu disse-te que precisava de um pouco mais, precisava de alguém que pudesse conhecer, em quem pudesse confiar, a quem posso dizer o que penso quando penso e a ti tenho escondido muito - cá está, porque não confio em ti.

Mas não acabei. Disse que não sabia qual a solução para o meu problema pois não és tu que não me dás mais, é a relação, de ti eu gosto imenso. Disse-te que esta conversa era porque precisavas de saber o que estou há algumas semanas a esconder, escondo-te que me doi um bocadinho de cada vez que vais pois sei como doi ver como estás diferente de cada vez que voltas. Disse-te que não estava a ligar para acabar mas também não para continuar. Que isso não deveria ser uma decisão minha mas nossa. Disse-te que adoro estar contigo mas que não sei se compensa o que doi não te conhecer e achar que nunca vou conhecer. Nem tu a mim. Hoje perguntei-te o que fazias na próxima sexta-feira. Já a fazia pela 2ª vez, tu respondeste-me exactamente o mesmo e não percebeste que estava à espera do «porquê?» para subtilmente te convidar para ver a minha apresentação de repertório. Não sou capaz de pedir de outra forma porque a verdade é que não quero parecer vaidoso ou de que é uma coisa muito importante para mim. Mas é. É a minha vida, quero que faças parte dela, quero que me vejas a fazer aquilo em que sou boa e não só a errar em contas, a gerir uma AE... Enfim...

Mas não, não vejo solução... Se calhar está na hora de desistir... Se calhar não foi feito para resultar, mas para conhecermos duas pessoas maravilhosas que entraram por acaso na vida uma da outra. Se calhar... O que me dizes?


Cisne

18 de outubro de 2013

Meu querido


Acho que te roubei a sorte, meu amor. Tenho tudo e tu estás a perder tudo...

Tenho um emprego que adoro
Estudo a minha paixão de vida
Estou a fazer as peças de repertório que quero e ainda tenho boas críticas
Tenho o melhor namorado do mundo
Tenho a melhor família do mundo
Tenho saúde
Sou tão feliz...

E tu, meu querido, meu amigo, meu amor,

Arranjaste-me trabalho e não encontraste para ti
Estudas a tua paixão mas sentes que precisas de mais, que aprendes apenas mais do mesmo
Tens peças de repertório lindas mas que não ficaram bem no teu corpo, nem acredito que te vão excluir assim...
O amor da tua vida abandonou-te. Foi-se um dia embora e não te disse se voltaria. Disse que te amava e desdisse-o, disse que te queria para sempre e partiu. Deixou-te assim, desamparado e num abismo de saudades sem fim. Quem me dera poder tirar-te de lá, fazer-te odiá-lo, por todo o mal que te fez, por te ter tratado como definitivamente não mereces.
O teu pai, a tua mãe, a tua avó... Meu querido, tudo vai passar, tem só um pouco mais de fé.
As tuas lesões e mazelas... Os joelhos que não saram, as contracturas que surgem do cansaço, as dores que teimam em parar uma das pessoas com mais força que já tive a honra de conhecer.
Estás tão apagado...

Meu querido, meu amor, meu amigo, meu melhor amigo, estás tão apagado e eu não sei acender-te. Salvaste-me já de tantos abismos, já me deste tanta força e eu aqui, parada e sozinha sem respostas, não sei como te salvar. Desconfio até que não queiras ser salvo, meu amor. Desculpa-me... mas estás num estado tão depressivo, que é quase como se quisesses ficar no buraco onde te meteram tão injustamente, onde nunca pertenceste, nem vais nunca pertencer. O teu lugar é no topo, junto com os grandes. E o meu lugar é atrás de ti, a empurrar-te para onde for o teu caminho, a apoiar-te quando caires para trás.

Meu amor, não sei. Não sei se te roubei a sorte mas se roubei, entrego-ta toda de volta pois ao menos infeliz eu, poderei ficar feliz de novo só de ver os teus olhos brilhantes, o teu sorriso enorme e a tua energia contagiante. Ficas tão feliz por mim... Quero tanto estar feliz por ti também... Tens tanto talento... Mereces tudo. Mereces o mundo, mereces tudo.

Quero-te tanto, quero-te tudo.


Cisne

16 de outubro de 2013

Repertoire

Vou dançar esta peça de repertório contemporâneo:



Anteontem tive alguns caloiros à porta do estúdio enquanto eu o estava a apresentar. Hoje vieram ter comigo para me dizer que adoraram ver-me. E viram de costas!! :) :) Pronto, vim aqui só mesmo para me armar ihihi. O meu melhor amigo (que para mim é o melhor bailarino da minha faculdade) virou-se e disse "Ah, é verdade, eu também te vi! Eeeepaaah, tavas toda poderosa!" :) :)

Já agora, sou a bailarina de saia, como convém :p

Cisne

15 de outubro de 2013

Uma relação normal

 
O que é afinal uma relação normal?

Ultimamente normal para mim tem significado: ausência de sufoco, ciúmes, grandes cenas nem grandes dramas, descontraída, baseada em vontade em estar com outra pessoa.

Ele é perfeito nesse aspecto. Já o tentei apanhar de todas as maneiras e feitios: falei de gajos giros, já exagerei um bom bocado nessas conversas e prolonguei, já dancei com amigos dele, já dancei com amigos meus, já lhe falei de ex-namorados... Enfim: ciumento não pode ser de certeza - óptimo! sim, claro! Já me chegou um! Depois cenas/dramas/controlo: quê? Quantas? Que é isso? Giro giro é passar um dia todo sem falar. Epa, JURO que adorava ser do tipo de gaja NORMAL que não se importa de não falar UM mísero dia com o namorado que está do outro lado do rio. Mas não sou. Nem que seja uma mensagem a dizer «dorme bem, vou dormir» ou «espero que estejas bem, vou-me deitar» ou «olá, mando msg só para mandar um beijo». Epa qualquer cena chegava e ele sabe perfeitamente que eu não sou de falar de nada durante horas. Era só para...sei lá... saber que se lembrou de mim :S

Oh vá lá, não me chamem já louca: eu sei que tenho a relação perfeita mas... epa, ele tem a ex-namorada na tuna, passa a vida dele com amigos de que eu não sei nada, faz o que quer e até me podia estar a meter os palitos que eu nunca saberia... Querer pelo menos uma mensagem todos os dias à noite é pedir muito? Pronto... Se calhar é. Vou tentar respirar fundo.

Mas sim, a verdade é esta: gostava de ser uma pessoa NORMAL que dá graças a Deus a sorte enormenda que lhe calhou na rifa e baixa a bolinha mas... pronto... parece que sou só PARVA. Ou então só mulher, há quem os acuse de sinónimos; eu cá não faço desses juízos...


Cisne.

Do cavalheirismo



 O problema de já ter tido namorado com um homem super dado ao cavalheirismo é que a todos os que lhe seguirem que não o forem eu vou torcer o nariz. E o mais curioso é que eu nem ligava nada a isso.

Entretanto compensa noutras coisas. Fomos beber um copo com uns amigos meus e de repente aparece um doido qualquer dentro de um bar a fazer-se à minha amiga com o namorado ao lado dela. Quando o namorado (super calma e educadamente) interferiu dizendo para o homem a deixar em paz, o homem ameaçou-o com uma navalha. Passando a parte do choque à frente, vou dizer o que aconteceu paralelamente: quando começou a haver confusão só sinto a mão do meu namorado a apertar a minha e quando o homem tirou a navalha, numa fração de segundo tinha o braço dele à minha frente, como que a proteger-me. E depois a descontração com que lidou com aquilo tudo, a acalmar o namorado da minha amiga e a falar calmamente com o homem, a dizer que não havia necessidade de nada daquilo e que era melhor ele simplesmente ir embora...

Pronto, não é cavalheiro, mas tem uma boa dose de proteção e bom senso a mais para compensar :p

Cisne.

P.S.- Sim, sim, vi aqui só mesmo para me gabar da sorte que tenho :p :p

14 de outubro de 2013

A velha história d' "A Conversa"


Estávamos muito bem a falar de nada e de repente "ah e tal nunca apresentei namorada nenhuma aos meus pais". Quê?! Com 25 anos e uma relação de 10 meses?? Mas como é que isso aconteceu sequer? É que difícil é fazer com que eles não se cruzem...

Mas pronto lá passámos o assunto e de repente «ah e tal qual é a tua política em relação a isso?». Depois de gaguejar 30 mil vezes lá disse o melhor que podia ter dito, como sempre: «então, pronto, para mim não há um tempo certo mas uma vez que eu ainda vou de erasmus em Fevereiro nem vale a pena pensar nisso...». Ora pois claro, olha que resposta linda!! O rapaz já é um traumatizado que acha que apresentar e conhecer pais ai-credo-valha-nos-Deus-não que isso é coisa de gente séria, e agora que se mostra minimamente interessado em fazê-lo tu, sua esperteza saloia, achas que é boa ideia dizeres «chavalinho, calma aí com os cavalos que nós lá para Fevereiro já nem juntos estamos, portanto esquece lá isso de relação séria!». Opa, a sério??!! Eu e a minha enorme boca! Qual é o meu problema?? Qual, qual???

Depois queixo-me que não dá certo. Bruxo! Com saídas de génio amoroso como estas.........


Cá para mim a culpa é do fim-de-semana que acabou...,
Cisne

P.S.- Mas lá que o homem me continua a aturar, continua. Já levou com uma crise de mau feitío e aguentou-se. Também já me viu com sono e cansada (praticamente o mesmo que com mau feitío) e também se aguentou. Já conheceu a minha irmã - tudo na boa - já conheceu amigos meus - todos gostaram uns dos outros... Epa, tenho cá para mim que se isto não resultar a culpa vai ser mesmo minha que estou sempre a insinuar que vamos acabar não tarda muito, para ele não investir muito na relação. Ah espelho meu, espelho meu, alguém mais anta do que eu??

13 de outubro de 2013

Nada se perde, tudo se transforma


Cheguei à minha terra Natal. Fui beber com um café com uma amiga e acho que a deixei melhor do que como a encontrei. Já não a via há algum tempo mas de alguma forma acho que isso foi essencial para a conversa que tive com ela. 

Ela, enquanto aluna de serviço social, teme estar a ficar demasiado fria (porque a isso obriga o trabalho dela) e completamente diferente do que sempre foi. Relembrei-a do que sempre foi mas fiz questão de lhe dizer que não tivesse medo. Que tomasse muita consciência da maneira como está a mudar e para quê mas que não tivesse demasiado medo dessa mudança. Afinal temos 20 anos. Sim, estamos a mudar, estamos a tornar-nos nas pessoas que vamos ser toda a nossa vida. E na vida a verdade é que não podemos ser pessoas super sentimentais e abertas porque isso nos deixa desprotegidos. Ela agradeceu-me porque de repente arrumei a confusão toda que ia dentro da cabeça dela e que de agora para a frente já saberia como lidar melhor emocionalmente com a sua profissão e o lado pessoal.

Cheguei a casa e olhei para o céu, um céu estrelado e magnífico - tinha-me esquecido de como o céu é diferente aqui, fiquei maravilhada como se o tivesse a ver pela primeira vez. Um frio de rachar na rua e eu especada a olhar este tecto mágico infinito.

Enquanto me perdia no infinito do céu, pensei em como não me perdi ao longo dos anos. Pensei no quanto mudei mas em como apesar de tudo mantive a minha essência e, principalmente, a vontade de viver. Fiquei orgulhosa de mim mesma. É muito mau dizer isto? Mas fiquei. E do que tenho conseguido ao longo dos anos, no quanto tenho trabalhado e sacrificado e nada foi em vão... Sim, estou orgulhosa de mim. Nunca pensei conseguir realizar metade do que pretendia. Nunca pensei riscar tantos itens da minha Wish List aqui no blog :)

Um bom fim-de-semana para todos,

Cisne

12 de outubro de 2013

Cause you got to have faith


"The sky looks pissed
The wind talks back
My bones are shifting in my skin
And you my love are gone

My room feels wrong
The bed won't fit
I cannot seem to operate
And you my love are gone

[Chorus:]
So glide away on soapy heels
And promise not to promise anymore
And if you come around again
Then I will take, then I will take the chain from off the door

I'll never say that I'll never love
But I don't say a lot of things
And you my love are gone"
 
***
"Tens fé? Tens fé que um dia vai ser diferente?"

Pela primeira vez tenho. Porque mudei. Porque os amigos também servem para nos dar na cabeça quando estamos desmotivados, quando desmoralizamos e deixamos de acreditar num futuro melhor. Porque mais uma vez olho para ti e vejo um olhar mais carregado de carinho, de amor, de confiança, de esperança. Como não ter fé em algo tão poderoso?

Agora são duas semanas. Espero que te divirtas, espero que os exames te corram bem. Mas espero acima de tudo que não te esqueças de mim. Por favor, não te esqueças de mim. "Nunca, agora nunca mais".

Cisne

10 de outubro de 2013

Eu vivo num sonho cor-de-rosa

Hoje acordei antes de o despertador tocar, porque foi um dia bom, cheia de gente boa, cheio de boa energia e um sol maravilhoso!
Tenho andado estranha, com mau feitio e desmoralizada mas hoje foi um dia bom e acabou muito bem. Ser quinta-feira também ajuda, amanhã vou vê-lo de novo, bem como à minha família.
Estou tão segura de que este é o único tipo de relação que posso suportar neste momento: o tipo que é de fim-de-semana, que não envolve cíumes mas confiança, que é tranquila e suportada por vontade (quando queremos estamos juntos, quando não queremos não estamos, a mesma coisa com falar durante a semana). Epah... Calhou-me a sorte grande, malta. Calhou mesmo. Tenho tudo :) Medo de perder tudo? Claro, claro que tenho, mas não é coisa que me ocupe muito o pensamento, tenho de viver ao máximo tudo o que me está a acontecer.
 
Cisne.

8 de outubro de 2013

Esta cidade é maior que eu


Doente, cansada e frustrada.

Melhores dias virão. Dias em que espero querer sair de casa. Não sei o que se passa comigo, estou tão insegura de tudo =/ Não tenho vontade de sair de casa, tudo me parece um desafio demasiado grande. É isto que é crescer ou sou eu que sou demasiado imatura para estar a altura?

Se eu conseguisse explicar... tenho todos os motivos para ser feliz, tenho uma vida absolutamente invejável e nada falta. Mesmo! Nada poderia faltar... Mas custa tanto sair de casa... Não entendo, nem me entendo. Nunca tive medo de trabalho e responsabilidades... Não entendo. Estou perdida comigo mesma.


Cisne

6 de outubro de 2013

Obrigada por quereres


Ele disse «amo-te». Eu disse-lhe que não diria de volta. Porque não é de volta, nada veio. Diz que me ama e não sabe o significa para mim só o facto de o querer. Mas não me ama. Não ainda. E apercebo-me agora que ele deve ser imaturo pois não o sabe. Talvez nunca tenha amado. Ou talvez nunca tenha sido magoado. Diz «amo-te» quando se sente feliz, quando se sente bem abraçado a mim. Mas amor não é só isso. Ou não é isso de todo. Bem... Na verdade, amor não é igual para toda a gente.

Para mim é ter a certeza que a minha vida nunca mais vai ser a mesma se aquela pessoa se for embora; é também não conseguir conceber mentalmente esse cenário mas ter sempre o medo e a consciência de que esse cenário se pode dar um dia. É felicidade também, claro. Não é só um coração completo, é um coração a transbordar, é um corpo cheio de tudo, que fala sem a boca. Amar também é conhecer. Conhecer bem, conhecer um olhar, um sorriso, cada canto, cada vontade, cada palavra que não é dita.

Ele não me conhece mas quer. Ele não me entende mas procura entender todos os dias. Ele não acerta todas as palavras mas pede desculpa quando as erra. Não...ele não me ama ainda. Mas quer tanto amar que já o diz. Isso para mim conta muito, sim.

Até lá, meu amor, até lá eu adoro-te. Muito. Não só. Muito. Porque adorar é apreciar, é admirar, é querer saber mais até amar. E amar será então aceitar. O mau e o bom, o óptimo e o péssimo, e não saber como viver sem tudo isso. Para mim. E para ti, se for outra coisa, quero estar aqui para saber.


Cisne.

P.S. Acho que não posso acabar este texto sem agradecer à pessoa que ensinou a amar, que me disse «amo-te», sabendo muito bem o que significava e que esperou até que eu soubesse também. Que se deu ao risco que é amar com a nossa idade tão jovem, numa idade em que amar é efémero, embora pareça (porque sempre parece) ser para sempre... Obrigada.

2 de outubro de 2013

Reflexo de nós


Fazes-me falta.
Tu, que estás longe e passaste 17 anos da minha vida comigo.
Tu, que ultrapassaste com resiliência a minha adolescência conturbada durante 2 anos.
Tu, que nunca estás em casa, e que há quase 20 anos me conheces e sabes o que penso num olhar.
Tu, que apoio e me apoias há cerca de 5 anos.
Tu, que já não fazes parte da minha vida por escolha minha, mas em quem ainda hoje penso «se estivesses aqui...».
Tu, que entraste agora mesmo por tempo indefinido e já deixas saudade.
Tu, Cisne, que já não és quem eras e que já és alguém que não reconheço.
Tu, Cisne, confiante, forte e lutadora.
Fazes-me falta.

Cisne

1 de outubro de 2013

Giacomo Puccini - "I Crisantemi"


Esta música foi dançada por dois colegas meus. Eles estavam apaixonados. Um deles é o meu melhor amigo, o outro o meu partner de co-criação. Separaram-se bruscamente e hoje, com países de distância, não se falam. Não percebo porque é que o amor é assim. Chega tão lentamente e vai-se tão depressa... É tão duramente efémero. E a saudade sempre dificilmente desgastada, deixa a nostalgia de tempos curtos e felizes que não voltam. Como a dança...

Cisne

Abandono

Este blog foi ao abandono...E não admira. Está tal e qual como eu: abandonado. Desde que uma colega minha entrou de baixa e o meu t...